Home > Experiência Ford > Ford Blog > Baterias de carros elétricos: tudo o que é preciso saber
Baterias de carros elétricos: tudo o que é preciso saber

Marco 1, 2021

Baterias de carros elétricos: tudo o que é preciso saber

A chegada dos veículos elétricos trouxe consigo novas tecnologias e conceitos para o setor automóvel. Uma das mais importantes é a das baterias, que influenciam muito mais do que apenas a autonomia oferecida ao veículo. Descrevemos a seguir tudo o que precisa saber sobre estas baterias.

A chegada dos veículos elétricos trouxe consigo novas tecnologias e conceitos para o setor automóvel. Uma das mais importantes é a das baterias, que influenciam muito mais do que apenas a autonomia oferecida ao veículo. Descrevemos a seguir tudo o que precisa saber sobre estas baterias.

A eletrificação da indústria automóvel levou à alteração definitiva da configuração interna dos automóveis. Estes veículos, sejam eles híbridos como o Explorer ou elétricos como o Mustang Mach-E, têm nas baterias um dos seus fatores-chave. Especialmente os modelos que dispensam por completo um propulsor térmico. Porquê? Porque as baterias passam a ser o único centro de armazenamento de energia para alimentar o motor. As baterias são responsáveis por permitir a independência dos carros elétricos face aos combustíveis fósseis.

São precisamente as baterias as grandes responsáveis pelo aumento do preço dos carros elétricos em relação aos veículos com motor térmico. No entanto, existem perspetivas animadoras para uma futura equiparação de preços. Se olharmos para a evolução do preço do quilowatt-hora (kW/h) nos últimos tempos, podemos ser otimistas. Dos 1.100 dólares (USD) que custava em 2010, o preço baixou para 156 dólares em 2019. Prevê-se que, até 2024, o preço seja inferior a 100 dólares, valor que já se pratica em alguns mercados da China.

Além da evolução do preço do quilowatt-hora (kW/h) é também importante o desenvolvimento das próprias baterias. Não é segredo que a autonomia dos carros elétricos aumentou substancialmente nos últimos anos. Isto resulta do aumento da capacidade e da densidade das mesmas. O significado do primeiro aspeto é claro. Já o segundo aspeto convirá salientar que diz respeito à capacidade da bateria para armazenar energia em relação ao seu peso. Quanto mais densidade, maior a capacidade, proporcionando mais quilómetros de condução entre carregamentos.

As baterias, neste momento maioritariamente de iões de lítio, representam um desafio para os engenheiros no sentido de alcançarem o melhor comportamento dinâmico nos carros elétricos. As baterias são ainda um elemento bastante pesado, cuja colocação na estrutura do veículo deve ser feita de forma cuidada, para causar o menor impacto possível no desempenho geral do veículo. A solução mais comum é colocarem-se as baterias o mais perto possível do solo, de forma a baixar o centro de gravidade.

O carregamento das baterias pode ser efetuado tanto com corrente contínua (DC) como com corrente alterna (AC). A primeira das opções é a mais rápida, está presente em alguns postos de carregamento públicos e pode permitir recuperar 80% da capacidade da bateria em pouco menos de uma hora. O carregamento dos restantes 20% é mais lento para proteger a vida útil da bateria. No que diz respeito à corrente alterna (AC), trata-se da opção mais comum e está disponível tanto em carregadores públicos como particulares instalados em casa. A potência da corrente alterna (AC) varia consoante o tipo de ficha e, com ela, o tempo de carregamento. No entanto, para obter a autonomia necessária para as várias deslocações diárias, as quais, na maioria dos casos, não excedem os 50 quilómetros, será suficiente instalar um ponto de carregamento em casa e deixar o carro a carregar durante a noite.

As baterias dos carros elétricos, como acontece em outros dispositivos, vão perdendo capacidade com a utilização e o passar do tempo. Geralmente, estão cobertas por uma garantia de vários anos ou quilómetros, em pelo menos 70%. Um estudo da Geotab, realizado em 2019, constatou que as baterias destes veículos perdem anualmente 2,3% da sua capacidade. No entanto, o utilizador pode ter em consideração um conjunto de cuidados de forma a maximizar a vida das mesmas. Devem ser evitados carregamentos e descargas completas, bem como utilizar, sempre que possível, tomadas de carregamento lento (se utilizados com frequência, os carregamentos rápidos podem fazer com que a capacidade desça 1%), utilizar o sistema de travagem automática para aumentar o carregamento em funcionamento, e conduzir de modo suave e preventivamente para utilizar o mínimo de energia possível.

Deve ter-se ainda em conta que o clima é um fator que influencia significativamente o desempenho das baterias. Em dias frios é normal que a autonomia disponibilizada por um carro elétrico seja menor, sem que isso signifique que a bateria perdeu capacidade. Por outro lado, os meses de elevado calor não são igualmente os melhores para o funcionamento da bateria, pois, entre outros fatores, um elemento como o ar condicionado também influencia o número de quilómetros que será possível cumprir entre carregamentos.

Top